7 dicas para manter a saúde do coração nos feriados

As dicas a seguir da Associação Americana de Cardiologia podem ser úteis para reduzir o aparecimento de notícias como ataques ou outros tipos de crises cardíacas durante a temporada de fim de ano.

  • Encha-se com alimentos saudáveis antes das festas de fim de ano

Planeje a sua dieta para que você não esteja apenas passando fome o dia todo e depois vá a uma festa e se torne um bobo atrás de comida.

  • Esqueça o arroz branco

Arroz integral ou quinoa podem ser usados em vez de arroz branco nos acompanhamentos.

  • Esqueça-se, inclusive, dos legumes sem gordura e amido

Abobrinha ou abóbora podem ser substituídas por massa e a couve-flor pode ser substituída por batatas, por exemplo.

  • Mastigue enquanto você cozinha

Podem ser chicletes sem açúcar ou vegetais. Não importa. Procure sempre mastigar alguma coisa durante a preparação das suas receitas para evitar preparar refeições com mais ingredientes e calorias que o necessário.

  • Mantenha o estresse baixo

O estresse desempenha um papel durante as férias também. Defina um limite de tempo para os visitantes. Dê um passeio. Desfrute de um filme ou livro de férias, ou de um livro de colorir para adultos. Acenda uma vela com cheiro reconfortante. Cite três coisas pelas quais você é grato. Os quebra-cabeças temáticos de fim de ano também são divertidos para toda a família.

  • Seja criativo com as sobras

Compartilhe as sobras com a família e os amigos e evite comer tudo sozinho. Use-as para preparar uma salada ou fazer uma sopa e adicionar mais vegetais. As bandagens de alface são ótimas sobras para tacos, por exemplo.

  • Pese-se todos os dias

É incrível o que esse truque pode fazer. Se você for passar quatro dias festejando e bebendo e comendo, você pode terminar o fim de semana com muitas calorias extras. Pesando-se todos os dias você estabelece um ciclo de feedback entre a comida e as bebidas que você consome e o seu peso.Se você exagerar e chegar na balança na manhã de sexta-feira para descobrir que ganhou 3 quilos, então vai evitar o pedaço de torta na sexta à noite.

Unicamp destinará 20% das vagas do Enem para acesso sem vestibular.

Boas notícias para os estudantes que almejam uma vaga na universidade. A nota do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) de 2018 será usada por mais instituições de nível superior como critério de seleção.

Entre elas está a Unicamp (Universidade de Campinas), que deve destinar 20% das vagas para os alunos com boas notas no Enem 2018 sem a necessidade de prestar o vestibular tradicional da instituição. Considerada uma das mais importantes universidades do país, a Unicamp demonstra que outras instituições possam fazer o mesmo e utilizar o Enem como processo seletivo.

Vagas para universidades de Portugal

O Enem já permite que os brasileiros possam estudar em Portugal. Mais de 30 universidades portuguesas, atualmente, possuem convênio com o Inep – Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. De acordo com um estudo realizado pela entidade, mais de 1200 estudantes brasileiros já estão matriculados por meio da nota obtida no Enem.

Resultados só em janeiro

Está prevista para 18 de janeiro a divulgação preliminar dos resultados individuais. Além de tentarem uma vaga direta como no caso da Unicamp, os estudantes podem utilizar a nota para se inscrever no Sisu (Sistema de Seleção Unificada) para concorrer a uma vaga em universidades federais de todo o país;

O ProUni (Programa Universidade para Todos) para concorrer a vagas em faculdades particulares, contudo também é levado em conta a renda familiar do candidato;

Fies (Fundo de Financiamento Estudantil), em que o estudante financia a matrícula e as mensalidades, com juros baixos que outros financiamentos e prazo para pagamento mais longo. Podem participar quem fez qualquer edição do Enem a partir do ano de 2010.

O Enem

Criado em 1998, o Enem passou por grandes reformulações e hoje é tido como o principal vestibular do país. O intuito é avaliar o desempenho dos alunos do ensino médio.

A versão atual passou a ser aplicada em 2009, a qual teve o aumento no número de questões e aplicação da prova para substituir o antigo vestibular. O exame ocorre uma vez por ano e tem a duração de dois dias. É composto de 180 provas objetivas e a redação.

Saiba por qual razão a Arábia Saudita planeja reduzir sua produção de petróleo

De acordo com a agência de notícias Reuters, autoridades da Arábia Saudita planejam um pacote de ações que pode restringir a produção petrolífera em todo o mundo. A abrangência dessas medidas, conforme reportado pelo Portal Terra, influenciaria o volume de combustíveis produzidos por nações membros da OPEP (Organização dos Países Produtores de Petróleo), bem como outras que não fazem parte do bloco.

Com a possível diminuição, um milhão de barris deixaria de ser produzido diariamente. A retração na cadeia produtiva de petróleo seria uma maneira do país se ajustar à tendência mundial de queda do produto e seus derivados. A Arábia Saudita é a maior nação produtora do segmento petrolífero, conforme citado na reportagem da Reuters.

A possibilidade desse cenário se modificar estaria relacionada com possíveis modificações dos fluxos produtivos de outros países, como o Irã, por exemplo. Para as autoridades que discutem o assunto, isenções concedidas à Índia e à China ocasionaram alterações significativas sobre a prática de preços sobre o petróleo.

Desse modo, como maneira de se evitar que o preço do produto se altere drasticamente, o país saudita vislumbra mecanismos que equilibrem a costumeira lucratividade percebida pela OPEP. A situação foi vista como limítrofe quando o valor do barril baixou a 70 dólares.

Um outro acordo vigora entre os países da OPEP e alguns outros que não fazem parte da organização. Trata-se do corte em diversas frentes de produção do combustível. Nesse caso, quase 2 milhões de barris são deixados de produzir por dia.

Uma reunião está agendada para acontecer no mês de dezembro, a fim de que se decida que medidas deverão ser implementadas para o ano de 2019. Assim sendo, os membros da OPEP e outras nações aliadas farão um encontro para debaterem o assunto, que será na cidade de Viena, capital da Áustria.

Embora haja certo consenso sobre a necessidade de cortes na produção petrolífera, é preciso que se debata qual a real quantidade do produto que deverá ser cortada. Desse modo, autoridades sauditas e de demais nacionalidades poderão estabelecer um piso a ser praticado em relação aos preços que serão adotados.

Saiba mais:

https://www.terra.com.br/noticias/mundo/arabia-saudita-esta-em-negociacoes-para-reduzir-producao-de-petroleo-apos-eua-isentarem-compradores,4f0c261d4253a338e22b9c6e32570067vpmt52t9.html

Kiwis duplicaram seus genes de vitamina há 20 milhões de anos, diz estudo

O kiwi de hoje, um membro da família da groselha chinesa, contém quase tanta vitamina C quanto uma laranja. Esse impulso extra na produção de vitamina C é o resultado dos ancestrais dos kiwis duplicarem espontaneamente seu DNA em dois eventos evolutivos separados, que ocorreram aproximadamente entre 50 e 57 milhões e entre 18 e 20 milhões de anos atrás. As notícias sobre o estudo foram divulgadas no segundo semestre de 2018 na revista iScience e em sites específicos sobre divulgações científicas.

“A poliploidia é um evento evolutivo abrupto que produz milhares de cópias extras de genes da noite para o dia”, diz o autor sênior do estudo, Xiyin Wang, um cientista agrícola da Universidade de Ciência e Tecnologia do Norte da China. “Essas cópias extras podem elevar grandemente a robustez da planta, proporcionando oportunidades para a seleção natural podar e reconectar seu sistema biológico ao longo do tempo.”, explica Wang.

Para descobrir traços de eventos de poliploidia, os pesquisadores compararam o genoma do Kiwi aos genomas de café e uva bem caracterizados. Kiwis, cafés e uvas compartilham um ancestral comum e, portanto, compartilham grandes trechos de informação genética.

Quando Wang e sua equipe alinharam os milhares de genes compartilhados pelas três plantas, eles descobriram que o genoma do kiwi continha frequentemente quatro ou cinco cópias de um gene em lugares onde o café ou a uva tinham apenas um. Os genes extras do kiwi incluíam as instruções biológicas para criar e reciclar a vitamina C.

A vitamina C não é apenas saudável para as pessoas, mas também ajuda no crescimento das plantas e na resistência a danos, por isso a produção superior de vitamina C dos kiwis deu uma vantagem no jogo evolutivo. Em contraste, a vantagem do grão de café era provavelmente sua capacidade de produzir cafeína, um pesticida natural que também pode matar a concorrência de plantas vizinhas, enquanto o produto químico que produz o pigmento roxo da uva provavelmente evoluiu para proteger a planta de temperaturas extremas.

Wang e sua equipe também descobriram que os dois eventos evolutivos foram mais provavelmente devido a um evento de autopoliplóide, o que significa que o kiwi duplicou seus próprios genes, em vez de um evento de cruzamento alopoliplóide. Por exemplo, plantas como bananas, batatas e cana-de-açúcar são autopoliplóides, enquanto trigo, algodão e morangos são alopoliplóides. Os autores observam que mais culturas são alopoliplóide do que autopoliplóides.

Uma grande explosão cósmica invisível é detectada por astrônomos

Uma equipe de astrônomos detectou o boom sônico de uma explosão cósmica imensamente poderosa, mesmo que a explosão em si sendo totalmente invisível.

Durante anos, os astrônomos estiveram caçando em todo o céu por um exemplo desse estranho fenômeno, conhecido como “arrebatamento órfão”. Finalmente, agora os astrônomos envolvidos com essa caçada encontraram uma grande explosão.

A erupção titânica, conhecida como Raios Gama (GRB), foi gerada pelo colapso de uma estrela massiva em uma galáxia a cerca de 300 milhões de anos-luz da Terra. No processo, a estrela colapsou em uma estrela densa chamada Magnetar ou, mais provavelmente, em um buraco negro.

Normalmente, os GRBs liberam uma quantidade prodigiosa de energia, tanto quanto o Sol liberaria em dez bilhões de anos.

A explosão gera dois jatos de raios gama que viajam para fora da estrela colapsante em direções opostas quase atingindo a velocidade da luz. Quando esses jatos são apontados para a Terra, os astrônomos vêem essas explosões de energia como flashes intensos de raios gama.

Mas os jatos GRB são muito estreitos e, como os jatos dessa estrela em colapso em particular não estavam apontados para nós, a própria GRB era completamente indetectável.

No entanto, os jatos da GRB colidiram com o gás que rodeava a estrela original, produzindo uma enorme onda de choque semelhante a um estrondo sônico. Isso aquece o gás, produzindo um brilho que irradiava energia de rádio em todas as direções.

“Esta é a primeira vez que alguém consegue capturar o som de uma explosão invisível de GRB. No passado, as pessoas viram a explosão e depois viram o boom, ou viram o boom e depois olharam para trás e recuperaram a explosão após o fato. Mas aqui nós vimos o boom, e ainda assim a explosão anterior parece estar completamente ausente quando vista da Terra”, diz Bryan Gaensler, um dos autores do artigo publicado no segundo semestre de 2018 com as notícias sobre a observação do fenômeno.

Gaensler é diretor do Instituto Dunlap de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Toronto, no Canadá. O artigo, cujo principal autor é Casey Law, da Universidade da Califórnia em Berkeley, foi publicado primeiramente na revista Astrophysical Journal Letters e em sites relacionados com o assunto.

Saiba por que a vitamina A é tão importante para a nossa saúde

A vitamina A é um dos mais importantes nutrientes para a nossa saúde, mas você sabe o que acontece em caso de deficiência dessa vitamina? Cegueira noturna e frequentes infecções são sintomas mais comuns.

Isso significa que a vitamina A, também chamada de Retinol, tem papel fundamental em nossa saúde, fortalecendo o sistema imunológico, atuando na renovação celular e no crescimento, além de melhorar a visão e contribuir na formação dentária.

O nosso corpo não produz esse nutriente, portanto é preciso ingerir alimentos que contenham essa vitamina, como cenoura, mamão papaia, manga, espinafre, entre outros.

Para descobrir todos os alimentos ricos em vitamina A e seus benefícios para a saúde, continue a leitura deste conteúdo.

O que é vitamina A?

Vitamina A é um micronutriente do grupo de vitaminas lipossolúveis encontradas facilmente em alimentos coloridos. Sua função antioxidante é capaz de barrar a ação dos radicais livres que oxidam as células e levam a diversos problemas, como catarata, doenças de pele e tumores.

Um importante aliado da saúde

O benefício mais conhecido da vitamina A é cuidar da saúde dos olhos, evitando seu desgaste e, conseguintemente, a cegueira noturna (dificuldade para se adaptar visualmente à noite).

Mas seus benefícios se estendem para outros campos. É um nutriente que auxilia na formação de ossos, dentes e do colágeno, uma proteína que serve para manter unhas, cabelos e pele com aparência jovial.

Alimentos ricos em vitamina A

A vitamina pode ser encontrada em frutas e legumes coloridos (amarelo, alaranjado e verde-escuro), ricos em carotenoides (precursores da vitamina). Os vegetais e alimentos de origem animal também são ricos desse nutriente.

Confira as fontes de vitamina A:

  • Pêssego;
  • Gema do ovo;
  • Batata-doce;
  • Manga madura;
  • Leite integral;
  • Mamão papaia;
  • Abóbora;
  • Cenoura;
  • Brócolis;
  • Espinafre;
  • Fígado de boi;
  • Queijo;
  • Laranja.

Embora os nutrientes sejam valorosos para a nossa saúde, é válido destacar que as vitaminas precisam ser ingeridas de forma equilibrada, já que o excesso de vitamina A causa dores de cabeça, ressecamento na pele, aumento de baço e fígado, e queda de cabelos.

Saiba como cientistas do Brasil conseguiram criar neurônios de modo sintético

Segundo uma matéria publicada pelo Portal de Notícias Terra, uma equipe brasileira de cientistas se tornou pioneira na criação de neurônios humanos em laboratório. As estruturas humanas foram produzidas de modo sintético com o intuito de se avaliar algumas possíveis respostas relacionadas a estímulos causadores de dor. A descrição desse feito científico, contudo, resultou em uma publicação na revista Frontiers in Molecular Neuroscience.

A produção de neurônios humanos, conforme descreve a reportagem, constitui uma espécie de marco para o estudo da neurociência no país. Para atingirem seu intento os cientistas buscaram produzir estruturas neurológicas que apresentassem caráter responsivo frente a estímulos que causassem irritações nessas células. Desse modo, conseguiram mapear alguns mecanismos considerados relevantes no que se refere ao estudo da dor.

A equipe de estudos envolveu instituições públicas e privadas, em uma parceria inédita. Dentre as organizações participantes estão o Instituto D’Or, a L’Oréal, a UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), a EMBRAPA e a Unicamp. Assim sendo, estes centros científicos foram responsáveis pelo trabalho de cinco anos que lançou luz sobre esta nova forma de se lidar com a dor humana.

Coube à equipe de cientistas do Instituto D’Or a função de cultivo de neurônios de maneira similar ao que ocorre no organismo humano. Houve ainda a presença de uma substância determinante para o sucesso do estudo. Trata-se do queratinócito, um tipo de estrutura muito comum na constituição dos seres humanos e que foi responsável pelas conclusões relacionadas à dor.

Com a avaliação realizada acerca dos queratinócitos, pôde-se confirmar o caráter determinante que os neurônios possuem em relação à conservação das estruturas presentes na pele. As descobertas realizadas pelos cientistas são, conforme esclarecido na publicação, importantes para vários campos da ciência, tais como da neurociência e da cosmética. De acordo com os pesquisadores, o estudo abre caminho para a elaboração de tratamentos para dores crônicas.

Para Stevens Rehen, um dos responsáveis pelo estudo, que representa o Instituto D’Or e a UFRJ, a pesquisa realizada também será de grande valia para a produção de medicamentos ansiolíticos e analgésicos. Já o diretor de pesquisa da L’Oreal, Charbel Bouez explicou que as descobertas auxiliarão no desenvolvimento de produtos específicos para peles sensíveis.

Saiba mais:

http://idgnow.com.br/internet/2018/09/12/pesquisadores-brasileiros-criam-pela-primeira-vez-neuronios-em-laboratorio

Terapias alternativas: confira 4 tipos para melhorar a saúde

A medicina não convencional nos disponibiliza uma série de terapias alternativas, como acupuntura, quiropraxia, shiatsu, aromaterapia, entre muitas outras. Elas agem a favor da nossa saúde e bem-estar, equilibrando-nos física e mentalmente.

Combater dores, ajudar no tratamento da depressão e reduzir o estresse são alguns dos benefícios que essas terapias podem trazer para o seu corpo. Muitas pessoas já chegaram a essa conclusão. Prova disso é que, segundo a OMS – Organização Mundial de Saúde, mais de 40% da população dos países desenvolvidos já recorreram a elas.

Na verdade, esses tratamentos levam a um diagnóstico feito de forma diferente. Avaliam cada pessoa com um todo. Para eles o que leva a determinada doença é específico de cada pessoa e, assim, buscam trabalhar na raiz do problema.

Mas, vale ressaltar que as terapias não convencionais são um complemento à medicina convencional, que nunca deve ser abandonada. Confira algumas das mais conhecidas!

Acupuntura

Trata-se de uma terapia criada na China que consiste na aplicação de agulhas em pontos definidos do corpo. São os chamados “Pontos de Acupuntura”, que obtêm efeitos terapêuticos surpreendentes. A técnica combate alguns problemas de saúde, como fibromialgia, enxaquecas, estresse, entre outros.

Quiropraxia

É uma técnica de medicina alternativa que busca identificar possíveis problemas na coluna vertebral. Tendo em vista que tais condições afetam o estado geral de saúde do paciente, busca por meio de massagens em determinados pontos do corpo (os mesmos da acupuntura) corrigir ou amenizar devios posturais. Dessa forma, melhora a chegada de estímulos nervosos a determinadas regiões do corpo, como órgãos, pernas, braços, entre outros.

Shiatsu

É um método terapêutico milenar, originado no Japão, mas amplamente difundido no ocidente — que busca o restabelecimento da saúde por meio do toque. A terapia consiste em pressionar determinados pontos vitais do corpo (pontos meridianos) com as mãos e dedos. Trata diversos problemas que vão desde a evacuação, controle de TPM, atuando até na prevenção de gripes.

Aromaterapia

É uma terapia alternativa que utiliza o aroma liberado por óleos essenciais de variadas plantas. Tem o objetivo de estimular diferentes partes do cérebro, tratando desequilíbrios emocionais. Baseia-se nos efeitos terapêuticos que o aroma pode trazer para as pessoas. A terapia auxilia no tratamento de dores e desequilíbrios emocionais.

Como você pode conferir, essas são algumas das terapias alternativas que muitas pessoas procuram para obter uma melhor qualidade de vida. Busque você também aquela que se encaixe às suas necessidades para melhorar sua saúde e bem-estar!

Estudo aponta aumento do percentual de brasileiros que bebem álcool

De acordo com notícias publicadas pela revista “The Lancet”, um novo estudo apontou que o consumo de álcool tem impactado na morte de 2,8 milhões de pessoas a cada ano. Esse número grandioso aponta o impacto negativo que o álcool tem em relação as mortes que ocorrem em todo o mundo. O estudo apontou ainda que não existe relação de “nível seguro” para consumo que não prejudique a saúde, sendo assim, independente da quantidade há um risco neste consumo.

O estudo publicado utilizou várias fontes de dados fornecidas por 195 países, inclusive o Brasil. Quando os dados do Brasil foram analisados, foi identificado que o consumo de bebidas alcoólicas teve um aumento significativo. Esse aumento foi maior observado nos homens.

Os dados levantados pelo estudo revelaram que em 1990, 68% da população brasileira consumia álcool. Quando esse dado foi registrado, o consumo de bebida alcoólica era de 1,8 dose diária para cada cidadão incluso nesse índice. Já em 2016, o percentual de brasileiros que consomem bebidas alcoólicas subiu para 71%, onde o consumo aumentou para 3 doses diárias. Em relação aos homens, o consumo mundial passou a ser de 39% da população, com uma média de 1,7 dose diária em 2016.

Já os dados relacionados as mulheres, os números apontaram que houve queda em um desses indicadores ao longo dos anos. No ano de 1990, o percentual de mulheres que bebiam álcool era de 45% da população brasileira, onde era ingerido 0,95 dose diária. Em 2016, os números apontaram para uma queda com redução no percentual de consumo das mulheres para 42% dos brasileiros. No entanto, a pesquisa identificou que o consumo por parte das mulheres aumentou para 1,5 dose diária. Os dados apontaram que a média mundial das mulheres que bebem álcool foi de 25% de toda a população em 2016, com dose diária foi de 0,74.

A dose estipulada pelo estudo equivale a 10 gramas de álcool, o que pode ser expresso de diferentes formas. Por exemplo, uma lata de cerveja com teor alcoólico de 5% ou uma taça de vinho com teor de 12% de 150 ml, equivalem a 14 gramas de álcool.

Saúde e inovação

Mais recentemente, estamos começando a ver a Lei de Moore nas ciências da vida, desde genômica e substituição de órgãos até imagens médicas, sensores e robótica. O ritmo de progresso não-linear da tecnologia quase certamente criará uma perturbação substancial do mercado de saúde, gerando onda após onda de oportunidades para as organizações tradicionais de saúde e novas empresas iniciantes.

A tecnologia sempre desempenhou um papel crucial na inovação em saúde, e isso não será diferente no futuro. No entanto, é provável que o ritmo e o foco da inovação possibilitada pela tecnologia mude. Considere estas previsões recentes da International Data Association :

Com o objetivo de melhorar a experiência do consumidor, 65 por cento das transações com organizações de saúde serão móveis até 2018, exigindo que as organizações de saúde desenvolvam estratégias omni-channel para fornecer uma experiência consistente em todos os canais Web, móveis e telefônicos.

A necessidade de gerenciar coortes de pacientes com condições crônicas levará 70 por cento das organizações de saúde a investir em aplicativos móveis voltados para o consumidor, wearables , ferramentas de monitoramento remoto e atendimento virtual. Isso, por sua vez, resultará em mais demanda por recursos de big data e analytics para dar suporte a iniciativas de gerenciamento da população .

Big data se tornará comum, com mais da metade das organizações gerenciando-a com TI operacional de rotina até 2018, reduzindo a necessidade de recursos especializados para suportar projetos de big data.

Os avanços nas tecnologias digitais criarão novas possibilidades e oportunidades enormes. Os sábios reconhecerão e seguirão essa tendência. Aqueles que o ignoram o farão por sua conta e risco.

Peter Drucker, o consultor e teórico de gestão amplamente conhecido, disse que “todas as organizações precisam de uma competência central: inovação.” A taxa agressiva de mudança enfrentada pelos profissionais exige líderes que compreendem e possuem essa competência essencial e sabem como transmiti-la respectivas organizações.

Este é o primeiro de uma série de posts que focarão em inovação na área com posts futuros focados em áreas específicas de inovação e suas implicações para análise, incluindo sensores vestíveis, sistemas de distribuição de medicamentos, robótica, genômica, tecnologias de computação móvel e redes sociais. , sistemas remotos de gerenciamento de pacientes e telessaúde.